Blog

EM DESTAQUE
13/02/19

Descubra como é feita a blindagem de veículos

Para quem deseja blindar um veículo, inúmeras regras devem ser seguidas e respeitadas para que a segurança não seja comprometida. No Brasil, o Exército é o responsável por regular e fiscalizar essa medida. Todas as normas estão previstas na portaria nº 55 da corporação, atualizada em junho de 2017. Trata-se da principal regulação sobre blindagem balística no país e dispõe sobre procedimentos para fabricação, importação, exportação, comércio, locação e utilização dos veículos blindados. Entre as regras, estão a obrigatoriedade de registro do veículo junto ao Exército, com validade de três anos. A principal norma, porém, diz respeito ao nível de proteção autorizado para veículos convencionais.

A blindagem para veículos convencionais suporta disparos de qualquer arma de mão, automática ou não”, explica o presidente da Abrablin (Associação Brasileira de Blindagem), Marcelo Christiansen.
De acordo com a portaria do Exército, ela cobre tiros de armas com calibre igual ou inferior a 44 e a 9 FMJ. Na prática, a tecnologia é dividida entre blindagem opaca e transparente, sendo a primeira realizada na lataria e a última, nos vidros. Para que os veículos sejam blindados, todo o carro é desmontado, com exceção do motor, câmbio e painel. Inicialmente, são retirados os vidros originais dos veículos, para que posteriormente sejam substituídos pelos vidros com proteção balística. Em seguida, é iniciada a blindagem da lataria, feita com até 12 camadas de manta de aramida, espécie de tecido, que, em combinação com o aço inox laminado a frio, não enferruja e resiste balisticamente bem. Todo o processo leva cerca de 45 a 60 dias para ser concluído.
O valor para a proteção de um carro de passeio é de cerca de R$ 60 mil. Já para um caminhão, o custo pode chegar a R$ 1 milhão. O Brasil tem mais de 200 mil veículos blindados.
Mesmo que o registro da blindagem seja válido apenas por três anos, a tecnologia, em si, dura um período maior. “Se dependêssemos da manta de aramida utilizada na lataria do veículo, a blindagem duraria o tempo de vida útil do automóvel. O problema são os vidros. Até pouco tempo atrás, a blindagem durava cerca de três anos por causa de um processo chamado de delamidação, que faz com que as camadas descolem naturalmente devido à exposição ao sol. De lá para cá, entretanto, os fabricantes melhoraram os processos, o que estendeu a durabilidade dos vidros para, em média, cinco anos”, explica o gerente de produção da MF4, Fabrizio. Segundo Fabrizio, o recomendável é usar o veículo com zelo e cuidado. Assim, a blindagem pode durar até oito anos, momento em que o cliente deverá comprar um novo carro.
Equipe MF4

EM DESTAQUE
06/02/19

O Que você deve saber antes de blindar seu carro

Quem tem um carro blindado ou pretende blindar seu veículo deve ficar atento: novas regras para esse setor foram estabelecidas pela portaria número 55 do Exército Brasileiro. As mudanças entraram em vigor no dia 11 de agosto deste ano. Entre elas, a que mais afeta o consumidor estabelece que o Certificado de Registro (que antes era exigido apenas das blindadoras) seja obrigatório para os proprietários de carros blindados, tanto para pessoa física quanto jurídica.

O CR pode ser adquirido através de um despachante ou mesmo uma blindadora, que encaminha os documentos do proprietário do veículo para o Exército. O processo dura, em média, 30 dias. Quem já possui um carro blindado regularizado na portaria anterior não precisa ir atrás do Certificado de Registro. “No caso de venda desse veículo blindado para outra pessoa, o novo proprietário terá que obter também o CR em seu nome, pois o Registro é pessoal”, explica o Exército.

Com relação a manutenção, a reautoclavagem, que é o processo de recuperação de vidros blindados delaminados, é proibida pelas novas regras. A partir de agora, deve-se substituir todas as peças que estejam danificadas e as que apresentem possibilidade de dano.

Para quem possui um carro com teto solar, vale a pena pensar duas vezes antes de blindá-lo. A partir de agora, a blindagem dessa área do veículo deve ser a mesma de todo o resto do carro, fazendo com que o teto não abra.

O Exército explica que as novas regras devem garantir melhor controle da atividade de blindagem, com produto controlado. “Todas as mudanças estabelecidas visam a proporcionar celeridade e desburocratizar procedimentos”, explica o Centro de Comunicação Social do Exército.

 

O que você precisa saber antes de blindar seu carro

O que o motorista deve fazer?

Para iniciar o processo da blindagem, o motorista precisa apresentar RG, CPF, comprovante de endereço, número do chassi, placa e RENAVAM do veículo, CNPJ e razão social para pessoas jurídicas e certidão negativa de antecedentes criminais, para conseguir uma autorização. De acordo com a nova regra, o proprietário do veículo deve, ainda, possuir um Certificado de Registro.

Que tipo de veículo pode ser blindado?

Uma vez que o motorista já esteja autorizado a blindar seu carro, é necessário checar se vale a pena colocar seu veículo pelo processo. Marcelo reforça que a maioria dos modelos pode ser blindado, mas carros com motorização 1.0 não compensam o ganho de peso. Além disso, veículos conversíveis não são blindados.

Qual é o custo para blindar?

Em média, o valor fica em torno de R$ 50 mil, mas isso pode variar bastante dependendo do modelo do carro, da oficina e da região.

Quando é feita a manutenção de um carro blindado?

Depois de 10 mil km rodados, o veículo deve passar por uma revisão na blindagem.

O consumo de combustível aumenta?

Muito se fala sobre os impactos que o aumento do peso do carro pode gerar, como gasto maior de combustível e desgaste das peças. De acordo com Marcelo, a blindagem de um veículo adiciona cerca de 180 à 200 kg ao veículo, mas a tecnologia de blindagem hoje é mais avançada e não faz com que ele seja muito prejudicado. “Você pode imaginar como se estivesse colocando dois adultos a mais dentro do carro, em todos os trajetos que ele irá fazer”. Sendo assim, o desgaste das peças pode ser um pouco antecipado, mas nada fora do normal.

Fonte: REVISTA AUTO ESPORTE

EM DESTAQUE
06/09/19

Segurança em primeiro lugar: garanta a proteção para os pneus do veículo

Furar um pneu em uma área perigosa da cidade ou numa estrada escura com pouco acostamento é um grande pesadelo. Se o pneu for rasgado e não houver condições de rodar até chegar a um local tranquilo, torna-se desesperador. Para evitar situações desse tipo e sentir-se seguro dentro do seu veículo, além de blindar a carroceria e os vidros, pode-se optar também por algum dos tipos de proteção para pneus que explicaremos a seguir:

 

Cinta Protetora Metálica

É uma cinta que envolve a roda e evita que o pneu se desprenda, garantindo ao motorista um deslocamento estendido em velocidade moderada por até 5 km, mesmo que os pneus estejam totalmente rasgados.

 

Cinta Protetora de Nylon Rígido

Sua colocação e funcionamento são semelhante a da cinta metálica, Contudo, a diferença fica por conta do material mais resistente, oferecendo maior sustentação ao automóvel. Esta cinta tem como objetivo não só conservar o pneu preso as roda, como manter autonomamente o carro suspenso em relação ao solo, possibilitando uma autonomia de 30 km, em velocidade moderada.

 

Gel Selante

Previne contra furos causados por objetos de até quatro milímetros. O produto é aplicado preventivamente no interior do pneu vazio. Quando o carro entra em movimento (com os pneus já calibrados), o gel se espalha homogeneamente pela roda, criando uma fina camada protetora dentro do pneu, evitando assim que haja perda de ar mesmo após uma avaria causada por objeto cortante. Sendo assim, em caso de perfuração, o líquido vai fazer o reparo instantâneo, de dentro para fora, ou seja, a pressão interna do pneu força as partículas do selante para o canal do furo, efetuando a sua vedação sem que seja necessário o motorista parar para realizar a troca. A MF4 Blindados conta com esses serviços de proteção aos pneus em caráter de aplicação extra a Blindagem do automotor. Portanto, de acordo com a sua necessidade, nossa equipe profissional indicará a mais adequada ao seu veículo.

EM DESTAQUE
03/07/19

Quais são os procedimentos para regularização de veículo blindado junto ao Departamento de Trânsito?

De acordo com o Atlas da Violência de 2018, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP): “Só na última década, 553 mil brasileiros perderam a vida por morte violenta, ou seja, um total de 153 mortes por dia...”.

Este quadro fez aumentar o medo e a busca desenfreada por segurança para que se volte a circular livremente pelas ruas da cidade. Como reflexo dessa realidade, tivemos um considerável aumento pela procura do serviço de blindagem de automóveis.

Segundo dados do Exército Brasileiro, desde 2013, a média de blindagem de automóveis no país oscila de 15 a 20 mil carros por ano; como existem muitas dúvidas acerca deste tema resolvemos resumir nesse artigo, algumas dicas a respeito dos procedimentos para a regularização de veículos blindados no Rio de Janeiro.

Como funciona o processo de regularização de veículos blindados?

A ausência do termo “blindagem” no documento do carro blindado poderá acarretar multas, pontuação na carteira nacional de habilitação e apreensão do veículo.

Os veículos blindados de emprego civil são produtos controlados pelo Exército Brasileiro. Logo, nenhum proprietário ou responsável por um automóvel pode, a seu critério, ordenar modificações nas características de fábrica sem previa autorização do órgão competente.

Portanto, cabe a Blindadora informar ao Exército a pretensão de início do serviço, através de um sistema próprio e restrito, designado SICOVAB (Sistema de Controle de Veículos Automotores Blindados e Blindagens Balísticas), a fim de gerenciar todas as atividades que envolvam blindagens balísticas.

CR - Certificado de Registro para Proprietários de Veículos Blindados

A Portaria nº 55, datada de 05 de junho de 2017, do COLOG (Comando Logístico do Exército) suscita que além da empresa de blindagem, o proprietário de veículo blindado (pessoa física ou jurídica) também se cadastre na Região Militar de interesse para a obtenção do Certificado de Registro (CR).

Mas atenção: a obrigatoriedade do CR abrange somente os proprietários e não os condutores de veículos blindados; lembrando que aos proprietários de veículos blindados antes de 2017 não é exigida esta certificação, uma vez que sua regularização antecede a promulgação da referida portaria. Portanto, somente adquirentes de veículos automotores blindados posteriores a vigência da Portaria n°55 terão que apresentar o CR.

Para concessão do CR, o Exército exige, entre outros formulários, a apresentação de todas as certidões criminais (das Justiças Federal, Estadual e Militar) referentes aos últimos cinco anos, sem qualquer apontamento ou restrição além de uma declaração negativa, com firma reconhecida, de inquérito policial e processo criminal. No caso de pessoa jurídica, o mesmo procedimento será exigido dos sócios.

A validade do CR é de três anos, tanto para pessoa física quanto jurídica, desde que não exerçam outra atividade com o produto controlado pelo Exército.

INMETRO e DETRAN de seu blindado

Após a concessão pelo Exército do CR aos proprietários de veículos em processo de blindagem, a Blindadora deverá apresentar ao Órgão o Termo de Responsabilidade e solicitar a Declaração final de Blindagem.

Somente em posse desta documentação, o cliente poderá se dirigir a uma Instituição Técnica Licenciada (ITL) - empresa privada credenciada pelo INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) e licenciada pelo DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito) - onde o veículo passará por inspeção observatória dos itens de segurança veicular para requerer laudo de vistoria e em seguida submeter tais documentos ao DETRAN a fim de promover a alteração de característica na forma exigida por lei.

Blindados ainda não regularizados junto ao DETRAN

Após 12 meses da publicação da Portaria nº 55 do Comando Logístico do Exército Brasileiro, finalizou o prazo para que os proprietários de veículos blindados até o ano de 2017 regularizassem seus automóveis junto ao órgão de trânsito.

Desta forma, caso não haja novo decreto do Exército, através de alguma Portaria extraordinária, reabrindo esta possibilidade, não será mais possível regularizar o blindado. Sendo assim, o proprietário do veículo não regular terá dificuldade na sua comercialização, correndo o risco de eventual apreensão do veículo em uma blitz policial ou de trânsito.

Conclusão

Estas foram apenas elucidações a respeito de documentação e regularização da blindagem do seu veículo junto ao DETRAN.

A MF4 Blindados trabalha de acordo com as normas preconizadas pelo Exército Brasileiro e disponibiliza aos seus clientes uma especializada equipe de funcionários, coordenada por advogados e pronta para atendê-los durante o processo de regularização do veículo blindado.

Continue aproveitando todas as dicas que se encontram aqui no nosso Blog.

EM DESTAQUE
21/11/18

Blindamos qualquer carro

A empresária Flora Gil, mulher do então ministro da Cultura Gilberto Gil, e sua irmã Fátima Giordano foram abordadas por dois criminosos armados quando entravam no seu Volvo, na esquina das ruas Visconde de Caravelas com Capitão Salomão, às 18h30 de 10 de junho de 2005. Em um ato de reflexo, Fátima bateu a porta com força e prendeu a mão esquerda de um dos assaltantes. A partir daí, as irmãs passaram a viver momentos de pânico. Com a mão esmagada, o homem descarregou a munição do revólver calibre 38, à queima-roupa, na direção da janela de Fátima. Ela acionou o alarme do veículo e pediu desesperada ajuda, pelo microfone do carro, aos gritos. Os ladrões atiraram 16 vezes contra o carro, buscaram atingir o mesmo lugar, para tentar fazer com que o vidro cedesse.

‘Quanto mais próximo o tiro, mais seguro para o motorista do carro blindado’, afirma representante da MF4 Blindados
“Fátima teve uma atitude corajosa de fechar a porta. Graças a Deus, o carro blindado nos salvou. Neste momento, só me lembro da música do Gil que diz “Andar com fé eu vou, que a fé não costuma faiá”, lembrou Flora. O que o criminoso não sabia é que “quanto mais de perto o tiro mais seguro para quem está dentro do carro e pior para quem está atirando, porque receberá muitos estilhaços”, conforme explicou à AMAERJ o representante comercial da MF4 Blindados Ronaldo Brandini. “É preciso ter calma para sair desse tipo de situação”, afirmou. Em meio à insegurança das grandes cidades do país, no Rio de Janeiro, o mercado de blindagem de veículos cresceu 15,5% de 2013 para 2014. Embora tenha tido uma expressiva queda no número de homicídios – e com a menor taxa de homicídios desde 1991 –, o mercado fluminense cresceu 21% no ano passado. De acordo com o último levantamento da Associação Brasileira de Blindagem (Abrablin), em 2014 foram blindados cerca de 12 mil carros no país, recorde pelo quinto ano consecutivo. Mesmo com o país em crise financeira, os usuários continuam a investir em segurança. Sediada no Rio de Janeiro, a MF4 Blindados produz de 25 a 30 unidades por mês, em média, nas suas quatro linhas de montagem, em um galpão de 3 mil m2. Com oito anos de mercado, é a maior montadora no Estado. A empresa firmou acordo com a AMAERJ em fevereiro e oferece descontos especiais para associados. Nesse período, o convênio já resultou na contratação de uma blindagem – o carro está na linha de montagem – e mais dois magistrados solicitaram orçamento. A parceria concede aos associados descontos de 12% a 16% no valor do serviço. Como se blinda um carro O processo de blindagem é dividido em quatro etapas. O primeiro passo é a desmontagem: o carro “fica no osso”, e as peças e bancos são embalados em plástico-bolha, onde ficam armazenados até o veículo ser remontado. Na etapa seguinte, o automóvel é revestido por uma manta impermeabilizante ultrarresistente – junção de nove tecidos, como a fibra de aramida balística laminada, que são prensados e se tornam mais resistentes que uma placa de aço.  Na terceira fase, o veículo é revestido com placas de aço inox. A segunda e a terceira etapas são chamadas de blindagem opaca. O último passo é a blindagem transparente, é a montagem, quando os vidros são inseridos e as peças recolocadas.Em seguida, os veículos passam pelo “teste de tempestade”, uma área fechada com 12 chuveiros que simulam tormentas para verificar se há algum vazamento. Um profissional fica no carro para validar a aprovação ou indicar a necessidade de algum reparo. O processo completo de blindagem leva 35 dias úteis. Caso o modelo seja um lançamento e nunca tenha sido blindado pela empresa, o prazo passa pra 60 dias úteis. Em um carro blindado, apenas os vidros dianteiros podem ser baixados, por questão de segurança. “Quem comanda o carro o carro é o motorista, ele tem o controle. É uma regra mundial”, explica Ronaldo Brandini. O vidro padrão tem 21mm de espessura, mas a MF4 já dispõe de um modelo mais moderno, com a mesma proteção balística e apenas 17mm, que deixam o carro mais leve e ágil. Todo carro blindado precisa de autorização do Exército – providenciada pela montadora –, e a informação deve ser incluída no documento do carro. Pessoas que tenham condenações judiciais por crime ou respondam a processo criminal, ou pela Lei Maria da Penha, por exemplo, não podem ter veículos blindados. A empresa trabalha com confidencialidade. As placas de identificação do Detran são cobertas assim que os veículos entram na linha de produção para preservar a identidade dos donos e impedir o reconhecimento dos carros. IMG_6231

EM DESTAQUE
21/11/18

Aumenta a Blindagem de Carros Populares

A insegurança no estado do Rio de Janeiro vem contribuindo para a mudança de perfil dos clientes que costumam blindar seus carros. No Rio de Janeiro, até 2015, os principais modelos eram Corolla e o Outlander....

Criminalidade faz crescer o investimento em segurança
A insegurança no estado do Rio de Janeiro vem contribuindo para a mudança de perfil dos clientes que costumam blindar seus carros. No Rio de Janeiro, até 2015, os principais modelos eram Corolla e o Outlander. No entanto, agora, a partir de 2016, os mais populares começaram a ser mais blindados. De acordo com a Diretora da MF4 Blindados, Lucy Dobbin, a demanda nesse sentido vem aumentando. “Vem crescendo a quantidade de pedidos Com certeza em função do aumento da violência e necessidade do carioca buscar proteção Ao investir num carro mais popular, seu custo final : carro mais blindagem, será menor”, revela Lucy. A recomendação é que a blindagem seja feita a partir de 115 cavalos, para suportar o peso extra, que hoje é menor, com a manta utilizada em 80% do automóvel , restringindo o aço a pequenas partes do carro. “Seguindo nesta linha , temos blindado muito o Focus, Fiesta , Honda Fit e Saveiro” , afirma a diretora da MF4 Blindados. Segundo Lucy, o valor médio de uma blindagem se comparados a carros como o Honda City, mostra o quanto o investimento na segurança está sobrepondo outros aspectos. Ainda de acordo com a diretora da MF4, não há como divulgar valores fixos de uma blindagem porque depende, além da escolha do material a ser empregado, da técnica e da própria credibilidade e seriedade da blindadora. MF4 Blindados A MF4 é uma empresa especializada em blindagem de automóveis nacionais e importados, sediada no Rio de Janeiro, onde é referência no setor. Fundada em 2010, localizada em Jacarepaguá, a MF4 possui uma área de 3.000 m² , com modernas instalações e equipamentos de última geração, desenvolvendo uma tecnologia em materiais com resistência balística para oferecer o mais alto grau de proteção, sem abrir mão da excelência no acabamento, mantendo ao máximo as características originais do veículo. Técnicos altamente qualificados e constantemente treinados desenvolveram um sistema especial de blindagem customizada para cada tipo de veículo, oferecendo um serviço mais completo e eficiente. O diferencial do serviço de blindagem está na união entre a mão de obra especializada e os melhores materiais para absorver impactos balísticos, adicionando menos peso e mais segurança aos automóveis. Cada etapa do processo de blindagem é realizada com minuciosa precisão. Todas estas etapas são rigorosamente checadas e conferidas visando eliminar a existência de falhas. Sempre visando a qualidade, a MF4 usa três pilares como base de um trabalho conceituado no mercado: Mão de Obra, Garantia e Atendimento. A missão da empresa é garantir a plena segurança dos clientes através da excelência dos serviços. Para tanto, a MF4 investe, de forma contínua, em tecnologia e vai ampliar as instalações visando aumentar o mercado e estar entre as principais do setor a nível nacional. O comportamento é pautado pela discrição e sigilo, preservando e respeitando os clientes, fortalecendo assim uma relação de confiança, estabelecendo um ciclo contínuo, buscando sempre os melhores resultados , cumprindo prazos e metas estipulados para atender com eficiência e comprometimento.
https://www.segs.com.br/seguros/112399-aumenta-a-blindagem-de-carros-populares